Importância do last mile na logística

importância da last mile na logística

A importância da interação com o cliente final esteve sempre muito presente no setor dos transportes e da logística, mas o crescimento do e-commerce tem vindo a transformar esta relação, impondo mais exigências. É, pois, imperativo olhar para a relevância do last mile na logística.

O que é last mile?

Todas as etapas do processo logístico são essenciais para levar os bens desde o produtor até ao consumidor final. No entanto, por ser tão crucial na satisfação do cliente e também mais dispendiosa, a last mile (traduzida à letra como “última milha”) tem centrado maior atenção. Trata-se, então, da etapa final do transporte, em que a carga sai do centro de distribuição para ser entregue ao cliente final.

Do first mile ao last mile

Até chegar ao destino, a mercadoria faz um trajeto que passa por vários passos:

  • First Mile: é a primeira etapa do processo de entrega de bens, em que estas são transferidas do produtor/fabricante para centros de distribuição.
  • Middle Mile: é a etapa intermédia, que ocorre quando é necessário o transporte de longas distâncias, levando as cargas dos portos ou aeroportos para centros de distribuição por via aérea, marítima ou terrestre.
  • Last Mile: é a última etapa do processo, em que as mercadorias saem dos centros de distribuição para entrega ao cliente final.

Porquê o foco nas soluções last mile? A entrega last mile ganhou uma grande importância na logística, nomeadamente na componente de encomendas, com o crescimento do e-commerce. Tanto mais porque toca num ponto-chave: a experiência do cliente.

“Grandes empresas de comércio eletrónico, bem como várias startups, identificaram os serviços de last mile como um diferencial relevante. Na verdade, a variedade de opções de entrega e a qualidade percecionada do serviço de entrega são os principais critérios de tomada de decisão para clientes online e, portanto, afetam diretamente o sucesso dos players de e-commerce no mercado”, escreve a McKinsey no artigo “How customer demands are reshaping last-mile delivery”.

Quais as implicações na operação?

Com o crescimento do e-commerce, surgiram novos desafios. Os clientes não só compram mais, como também fazem cada vez mais pequenas encomendas, o que traz novas exigências ao setor dos transportes e da logística.

Coloca-se, assim, a questão da quantidade. Mas não só. É necessário fazer mais entregas e num tempo cada vez mais reduzido, como se evidencia no conceito de same-day delivery (entrega no próprio dia).

A importância da entrega no mais curto espaço de tempo é evidenciada num inquérito divulgado pela McKinsey. Os dados mostram, desse modo, que cerca de um quarto dos consumidores está disposto a pagar mais para receber a encomenda no próprio dia.

Segundo estimativas da consultora, a entrega no próprio dia ou imediata vai representar uma percentagem conjunta de entre 20% a 25% do mercado em 2025, sendo expectável que cresça ainda mais posteriormente.

Um dos constrangimentos a este tipo de entregas prende-se com o facto de a maioria ser feita em meios urbanos, mais congestionados. Por outro lado, as entregas em espaços rurais podem enfrentar a dificuldade de acesso a locais mais remotos.

Mas os desafios não ficam por aqui. Sendo muito valorizadas todas as questões ambientais e de sustentabilidade, é preciso ter em consideração o impacto ambiental das operações logísticas, nas quais se destacam as entregas last mile.

Novos modelos de negócio e aposta na tecnologia

É, pois, necessário conseguir contornar este constrangimento para ter clientes mais satisfeitos. Mas como fazê-lo sem assumir custos astronómicos no last mile, uma das componentes mais caras do processo de entrega?

A resposta está no modelo de negócio e na tecnologia. “A logística centrada no cliente – ou o last mile – é particularmente afetada por estas tendências”, lê-se no estudo “Transforming the Last Mile”, da GS1. Este estudo conclui: “Estão a surgir modelos inovadores em que os parceiros comerciais colaboram e partilham dados para criar mais eficiência na logística centrada no cliente”.

Esta conclusão mostra que falar de novos modelos de negócio é falar também de tecnologia, em que se destacam a robótica ou a inteligência artificial. E, nesse sentido, três modelos de entrega estão a evidenciar-se, segundo a consultora McKinsey: veículos terrestres autónomos com cacifos automáticos, drones e estafetas de bicicleta. Um caminho que vai garantir que, no futuro, 80% das encomendas sejam entregues por veículos autónomos.

Estas novas soluções vão permitir vencer os novos desafios, o que significa assegurar um last mile com grandes vantagens para o negócio.

  • Clientes satisfeitos: cumpre-se o tão importante objetivo de garantir que os clientes, cada vez mais exigentes, estejam satisfeitos, continuem a comprar e a recomendar o serviço.
  • Maior eficiência: a otimização dos processos, aliada à tecnologia, conduz ao máximo de eficiência e ao mínimo de riscos e de danos.
  • Transparência: a possibilidade de ser feito um acompanhamento ao detalhe (last mile tracking) e em tempo real de todo o percurso da encomenda até chegar ao cliente final assegura transparência, uma componente cada vez mais valorizada.
  • Redução de custos: pôr fim às ineficiências, usar a tecnologia certa e minimizar as falhas permitem contornar os elevados custos associados à entrega last mile, sobretudo no contexto atual de crescimento do e-commerce.

Ciente da importância do last mile enquanto etapa fundamental do processo de transporte e logística, confie na experiência da Rangel e garanta a satisfação dos seus clientes.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
Supply Chain Magazine, Finalmente… Ou Talvez Não? Acedido a 12 de abril de 2021.
https://www.supplychainmagazine.pt/2021/02/22/finalmente-ou-talvez-nao/
Business Insider, The challenges of last mile delivery logistics and the tech solutions cutting costs in the final mile. Acedido a 12 de abril de 2021.
https://www.businessinsider.com/last-mile-delivery-shipping-explained
Supply Chain Game Changer, Last Mile Delivery Explained! Acedido a 12 de abril de 2021.
https://supplychaingamechanger.com/last-mile-delivery-explained-infographic/
GS1, Transforming the Last Mile – Emerging innovations and solutions in the challenging world of customer-centric logistics. Acedido a 12 de abril de 2021.
https://gs1ni.org/downloads/gs1_customer-centric_logistics_wp_a4_081018_hi-res.pdf
McKinsey, How customer demands are reshaping last-mile delivery. Acedido a 12 de abril de 2021.
https://www.mckinsey.com/industries/travel-logistics-and-infrastructure/our-insights/how-customer-demands-are-reshaping-last-mile-delivery
McKinsey, Parcel delivery – The future of last mile. Acedido a 12 de abril de 2021.
https://www.mckinsey.com/~/media/mckinsey/industries/travel%20logistics%20and%20infrastructure/our%20insights/how%20customer%20demands%20are%20reshaping%20last%20mile%20delivery/parcel_delivery_the_future_of_last_mile.pdf
World Economic Forum, The Future of the Last-Mile Ecosystem. Acedido a 12 de abril de 2021.
http://www3.weforum.org/docs/WEF_Future_of_the_last_mile_ecosystem.pdf

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *