Transporte Terrestre expande-se para Médio Oriente, Ásia ou África

Transporte Terrestre para Médio Oriente, Ásia ou África 1

No mercado europeu de transporte terrestre internacional operam diariamente cerca de 600 mil camiões, sendo que cada um destes veículos movimenta, em média, 16 toneladas de mercadorias e percorre 627 quilómetros, para fornecer os cerca 500 milhões de consumidores europeus. Aproximadamente dois terços destes 600 mil camiões que circulam na Europa viajam, essencialmente, entre os países mais industrializados e economicamente mais fortes da União Europeia: Alemanha, França, Bélgica, Países Baixos, Luxemburgo, Itália e Reino Unido, no entanto, nos últimos anos, temos vindo a assistir a um aumento do transporte terrestre para Médio Oriente, Ásia ou África.

Países como o Azerbaijão, Iraque, Irão e até Uzbequistão, que se situa na Ásia Central, são cada vez mais destinos possíveis para o transporte terrestre internacional de longo curso, assim como o Norte de África e alguns países da África subsariana. São vários os operadores de transporte terrestre europeus que apresentam rotas frequentes para as geografias referidas anteriormente, e afirmam que para além de rentável existem boas perspetivas de mercado para estas rotas.

Quais as novas rotas para o transporte terrestre internacional de longo curso?

Como referido anteriormente, embora uma grande parte das rotas de transporte rodoviário estejam concentradas entre os países que pertencem à União Europeia, nos últimos anos os limites geográficos para a exportação/importação através do transporte terrestre expandiram-se, sendo atualmente possível enviar mercadorias em camião para:

  • Médio Oriente e Ásia Central (Iraque, Irão, Arménia, Azerbaijão), designada também por Nova Rota da Seda, e que terá sentido um impacto bastante positivo no final de 2019 e início de 2020, devido aos constrangimentos que o coronavírus trouxe ao transporte aéreo.
  • Europa de Leste e Ásia (Ucrânia e Rússia)
  • Norte de África (Marrocos, Argélia e Tunísia)
  • África subsariana (Mali, Mauritânia, Senegal e Costa do Marfim)

Trata-se de uma alternativa viável ao transporte aéreo e ferroviário, não só por ser, em média, mais económico em cerca de 40%, mas também por apresentar tempos de trânsito mais curtos quando comparado com o transporte ferroviário, no caso do Médio Oriente e Ásia.

Outra vantagem transporte terrestre de e para o Médio Oriente, Ásia ou África é o facto de permitir o transporte de cargas perigosas (como por exemplo, alguns tipos de baterias de lítio), que não são permitidas no transporte aéreo. Sendo a China um dos maiores fornecedores mundiais deste produto, as rotas de transporte terrestre euro-asiáticas apresentam-se como uma alternativa viável para a importação/exportação deste tipo de cargas.

Referências Bibliográficas:
Politico. The European road transport system’s two possible futures, Acedido em 13 de julho de 2020, em
https://www.politico.eu/sponsored-content/the-european-road-transport-systems-two-possible-futures/
Trans.info. Road freight transport on the New Silk Road gets better: a Dutch carrier’s growth proves this, Acedido em 13 de julho de 2020, em
https://trans.info/en/road-freight-transport-on-the-new-silk-road-gets-better-a-dutch-carrier-s-growth-proves-this-184005

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *