Quais são os principais indicadores de desempenho logístico?

Quais são os principais indicadores de desempenho logístico? 2

Num contexto empresarial cada vez mais competitivo e dinâmico, as empresas necessitam de acesso a dados sobre a performance das suas operações para garantirem um serviço/produto de excelência, sem falhas ou derrapagens de custos, com a máxima eficácia e rentabilidade. É neste cenário que os indicadores de desempenho logístico assumem um papel de grande relevância para apoiar os gestores no processo de tomada de decisões rápidas, bem como na definição de estratégias de médio e longo prazo.

Conheça algumas das principais métricas e saiba como tirar o melhor partido destas.

A importância e os benefícios dos indicadores de desempenho logístico

Com o recurso à tecnologia e ao big data, é hoje possível ter visibilidade em tempo real das diversas etapas do processo logístico: desde o abastecimento, passando pela gestão de inventário e armazenamento até à expedição e ao transporte.

Dessa forma, através da definição e implementação de indicadores de desempenho logístico, é possível:

  • Detetar falhas e ineficiências ao longo do processo;
  • Introduzir melhorias nas operações;
  • Reduzir custos com a otimização de processos;
  • Melhorar prazos de execução e de entrega;
  • Aumentar a produtividade e a eficiência das operações;
  • Melhorar a performance das equipas;
  • Facilitar a tomada de decisões por parte dos gestores;
  • Contribuir para a melhoria dos níveis de satisfação dos clientes.

Sete indicadores de desempenho logístico a reter

Cada empresa é uma entidade única. Por isso, os indicadores de desempenho logístico mais relevantes irão sempre variar de caso para caso, dependendo dos objetivos e da natureza de cada organização. Por exemplo, se o objetivo de uma empresa é melhorar os níveis de satisfação e de fidelização dos seus clientes, deve analisar parâmetros como o tempo médio das entregas.

Alguns especialistas defendem igualmente a ideia de que o número de métricas escolhidas não deverá ser muito extenso. Afinal, uma quantidade demasiado elevada poderá dificultar o seu acompanhamento contínuo e contribuir para a dispersão da atenção das equipas.

Ao mesmo tempo, poderá também ser útil estabelecer uma hierarquia de indicadores de desempenho logístico, enquadrados em diferentes níveis, sendo que no topo estarão os principais, que permitem monitorizar a atividade geral. Aqui, incluem-se, por exemplo, os custos logísticos em percentagem das vendas, os indicadores que permitem avaliar os níveis de inventário e as métricas do tempo que um produto demora para ser entregue ao cliente final.

Já num segundo nível, estarão indicadores mais específicos e detalhados que influenciam as métricas do primeiro nível.

Apesar de cada caso ser um caso e de haver uma multiplicidade de indicadores que podem ser implementados, existe um conjunto de KPI que são habitualmente usados para avaliar as várias etapas do processo logístico e que poderão ser úteis para muitas empresas. Aqui ficam alguns dos mais relevantes.

Order Cycle Time

O OCT – Order Cycle Time é um indicador que permite aferir o tempo necessário para processar uma ordem/encomenda, desde o momento em que a empresa recebe o pedido até à entrega ao cliente. Dessa forma, o OCT ajuda a perceber se os processos são (ou não) eficientes: um OCT mais baixo é um sinal de que as operações logísticas são ágeis.

Por outro lado, se este indicador for elevado, a empresa deverá analisar as diversas etapas do processo logístico para determinar em que fase implementar melhorias nos prazos de execução. Não se esqueça de que quanto menor for o tempo necessário para que um produto chegue ao cliente, maiores as probabilidades de ele sentir-se satisfeito.

On Time & In Full (OTIF)

Trata-se certamente de um dos mais importantes indicadores de qualidade na logística, fundamental para assegurar um nível elevado de satisfação dos clientes. Esta métrica permite avaliar se um cliente recebeu a sua encomenda no prazo pretendido (on time) e se a entrega cumpriu com as indicações do mesmo no momento da compra e sem problemas (in full). No fundo, o OTIF reflete o pedido perfeito, que atende às expectativas do cliente.

Taxa de rotação dos stocks

Atingir o ponto ótimo do inventário (sem que haja rutura ou excesso de stocks) é um fator decisivo para uma empresa conseguir controlar a capacidade e os custos de armazenamento, bem como os fluxos de entrada e saída. Para garantir este ponto de equilíbrio na gestão do inventário, deve socorrer-se de métricas como a taxa de rotação dos stocks. Este indicador de desempenho logístico mede a velocidade a que se repõe um stock num dado período temporal.

Ainda no campo da gestão de inventários, a taxa de cobertura é outra métrica essencial para garantir que a sua empresa tem a quantidade adequada de produtos em stock, no momento certo, para satisfazer a procura.

Precisão do inventário (inventory accuracy)

Nem sempre o stock contabilizado nos sistemas corresponde à quantidade de produtos que existem realmente em armazém. Elevadas discrepâncias entre o stock real e o stock contabilístico podem causar problemas na cadeia de abastecimento. Por essa razão, é importante controlar a precisão do inventário. Para isso, basta dividir o stock físico (real) pelo stock registado no sistema.

Custo do transporte em relação às vendas

Os custos de transporte podem ser bastante expressivos na estrutura de custos totais das empresas e, desse modo, devem ser monitorizados com atenção. Um dos métodos utilizados para se perceber se uma empresa precisa de otimizar esta área é apurar qual a participação dos custos de transporte nas vendas totais da empresa. Além disso, poderá também recorrer a outras métricas, como, por exemplo, o custo de transporte por unidade. Neste caso, divide-se o custo total do frete pelo número de unidades expedidas num determinado período.

On Time Delivery (OTD)

Com o crescimento do e-commerce, um dos elementos mais valorizados pelos consumidores é o cumprimento dos prazos de entrega. Nesse sentido, indicadores como o On Time Delivery (OTD) têm ganho uma importância crescente. Este indicador permite perceber a percentagem dos pedidos entregues dentro do prazo acordado. Pode ser calculado de forma simples: dividindo o número de entregas realizadas dentro do prazo pelo total de entregas efetuadas num determinado período, multiplicando o resultado por 100. Quanto mais elevado for este indicador, melhor.

Percentagem de entregas com problemas e não conformidades

Nem sempre as entregas são realizadas de acordo com o previsto e com as expectativas dos clientes. Erros e falhas (seja porque a entrega não corresponde ao pedido efetuado pelo cliente, porque a encomenda foi danificada durante o transporte ou porque houve um atraso) levam não só a empresa a incorrer em custos extra com devoluções e reentregas, como ainda comprometem os níveis de confiança e satisfação dos clientes. Assim, é fundamental identificar as etapas nas quais são gerados os maiores problemas de não conformidade nas entregas.

Se tem dúvidas sobre como tornar o processo logístico da sua empresa mais eficaz e rentável, contacte-nos. O grupo Rangel tem um conjunto alargado de soluções logísticas, para garantir que o seu negócio tem todo o apoio para ser bem-sucedido.

Referências Bibliográficas:
Logistic Bureau, KPI – Key Performance Indicators in Supply Chain & Logistics. Acedido a 9 de agosto de 2021.
https://www.logisticsbureau.com/kpi-key-performance-indicator/
Linkedin, KPI’s na área de logística: O que são, para que servem e como criá-los. Acedido a 9 de agosto de 2021.
https://pt.linkedin.com/pulse/kpis-na-%C3%A1rea-de-log%C3%ADstica-o-que-s%C3%A3o-para-servem-e-alves-de-pires
Siteware, What are KPI Logistics metrics and how to calculate them. Acedido a 9 de agosto de 2021.
https://www.siteware.co/en/performance-management/what-are-kpi-logistics-metrics/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *