Picking: o que é e como aumenta a eficiência do seu armazém?

Picking: o que é e como aumenta a eficiência do seu armazém? 1

As operações em armazém são críticas para o bom funcionamento de uma cadeia de abastecimento. Especialmente no contexto atual, de grande dinamismo do comércio eletrónico, os processos nesta etapa tornaram-se mais exigentes, rigorosos e céleres, para ir ao encontro das expectativas dos consumidores. Para que tudo corra bem, é necessário não só assegurar os níveis corretos de inventário e stock, como também adotar um modelo adequado de picking – processo que consiste na recolha e separação dos pedidos de um armazém para poderem ser preparados e expedidos.

Conheça os modelos mais comuns e saiba como implementar a melhor estratégia nos armazéns da sua empresa.

As vantagens de seguir uma estratégia de picking otimizada

Da mesma forma que numa orquestra todos os elementos têm de estar sincronizados para produzir um som melodioso, também num armazém todas as operações – desde a receção de mercadorias, passando pelo seu armazenamento, seleção de pedidos, preparação de encomendas, até à expedição – têm necessariamente de estar coordenadas para garantir que os pedidos seguem para os clientes de forma rápida e sem erros.

E existem muitos problemas que podem surgir durante o processo de picking. Por exemplo, a dificuldade em localizar os produtos que devem ser recolhidos pode causar atrasos na preparação e na expedição de encomendas. Ao mesmo tempo, um erro na recolha do item correto pode levar a perdas financeiras e reputacionais: se o lapso não for detetado a tempo, o artigo errado será enviado para o cliente, que não ficará satisfeito, irá devolver o produto e pode não voltar a comprar.

Mas mesmo que se identifique o erro ainda no armazém, será necessário desencadear um novo processo, originando perdas de tempo e de mão de obra. Na verdade, alguns estudos apontam para que opicking represente entre 50% a 60% dos custos operacionais.

Dessa forma, implementar um processo de picking eficaz ajuda a:

  • gerar uma maior produtividade nas operações logísticas de armazém;
  • eliminar as probabilidades de erros ou falhas;
  • diminuir atrasos na preparação e expedição de encomendas;
  • conferir uma maior agilidade às operações;
  • reduzir os custos financeiros;
  • melhorar os níveis de satisfação dos clientes.

Quatro modelos de picking mais comuns

Um dos desafios das empresas na organização dos seus armazéns é definir quais as melhores estratégias, ferramentas e os melhores modelos de picking. É certo que esta etapa pressupõe sempre que se faça a localização do produto, a sua recolha e a movimentação do mesmo até à área de consolidação das encomendas. Mas o modo como este processo se desenrola pode mudar de armazém para armazém, consoante as características de cada negócio, bem como a natureza das mercadorias. Entre os principais tipos de picking, destaque para os seguintes:

Picking discreto

Também denominado como order picking, adequa-se a armazéns com stocks mais reduzidos e em que se verifiquem pequenas quantidades de pedidos. Neste modelo, existe um funcionário ou operador que fica responsável por todo o processo de recolha e que trata de um pedido de cada vez. Embora esta solução diminua a probabilidade de erros, exige mais tempo para que todo o processo de picking fique completo.

Picking por zona

Neste sistema, conhecido por zone picking, divide-se o armazém por zonas e cada operador (ou equipa de operadores) fica responsável pela recolha de produtos numa determinada área. Assim, se o pedido ficar completo, segue para a próxima etapa. Caso contrário, os funcionários transferem o pedido para a zona seguinte até este ficar concluído.

Picking por lote

Aqui o objetivo é perder o menor tempo possível nas deslocações dentro do armazém. Nesse sentido, no picking por lote (ou batch picking), cada operador recolhe os produtos referentes a um grupo de pedidos numa só deslocação. Ou seja, imaginando que existe um determinado produto que consta em vários pedidos, o funcionário vai recolher diversas unidades deste produto, que serão depois separadas pelos respetivos pedidos. Trata-se de um modelo aplicado em operações com itens muito fracionados.

Picking por onda

O wave picking é uma outra forma de recolher e preparar os pedidos para expedição. Neste caso, os pedidos são agrupados de acordo com critérios como rotas de distribuição ou a prioridade dos envios. Cada operador recolhe os produtos da sua zona e todas as recolhas acontecem dentro da mesma janela temporal. Os produtos são depois separados na área de consolidação para concluir os pedidos individualizados.

Assim sendo, não existe um modelo único e ideal para se implementar um processo de picking num armazém, mas sim diversas soluções. A escolha mais adequada terá de ter em conta uma série de fatores, como o tipo de produtos armazenados (volume, peso, sensibilidade, etc.), as próprias dimensões e o layout do armazém, a rotatividade das mercadorias, a quantidade de pedidos processados, ou mesmo os meios técnicos disponíveis.

Como tornar o seu armazém mais eficaz

Para conseguirem assegurar que o processo de recolha de produtos é feito da maneira mais célere e sem falhas, as empresas deverão ter em conta alguns cuidados.

Um dos pontos cada vez mais críticos é a adoção de tecnologias que tornem o picking mais eficiente. Embora muitas operações em armazém ainda sejam feitas de forma manual, a introdução de tecnologias adequadas permite criar automatismos na gestão das operações que eliminam os erros humanos e aceleram processos. Nesse sentido, são cada vez mais as empresas que recorrem a sistemas WMS (Warehouse Management Systems) para tornar a logística de armazém, incluído o picking, mais integrada, simplificada e ágil.

Além destes softwares de gestão, a tecnologia pode ser aplicada aos equipamentos (como robots e veículos AGV) e aos sistemas utilizados para fazer o picking (sistemas pick-to-light, voice picking, etc.).

Mas a tecnologia não é uma fórmula mágica que resolverá todos os problemas relacionados com o processo de picking. É crucial existir, além disso, um planeamento criterioso de todas as peças da engrenagem que compõem um armazém. E nesse sentido, a organização dos produtos em posições estratégicas torna-se num elemento fundamental para diminuir as movimentações dentro do armazém e acelerar as operações. É igualmente importante ter um sistema de localização de produtos que seja eficiente.

Portanto, se procura um parceiro que assegure as necessidades do seu negócio, contacte a Rangel. Temos uma equipa especializada e um conjunto alargado de serviços de armazenagem que incluem a receção dos produtos e a sua armazenagem para posterior expedição e entrega ao cliente final.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
Cargox, “Picking: Descubra como aumentar a eficiência logística da empresa”. Acedido a 18 de fevereiro de 2022.
https://cargox.com.br/blog/picking-descubra-como-aumentar-a-eficiencia-logistica-da-empresa
6 River Systems, “What is picking in a wharehouse?”. Acedido a 18 de fevereiro de 2022.
https://6river.com/what-is-picking-in-a-warehouse/
BlogLogística, “O que é o picking e como ele pode ajudar a sua empresa?”. Acedido a 18 de fevereiro de 2022.
https://www.bloglogistica.com.br/mercado/o-que-e-picking-e-como-ele-pode-ajudar-sua-empresa/
Mecalux, “Os processos de picking no armazém”. Acedido a 18 de fevereiro de 2022.
https://www.mecalux.pt/blog/processo-picking
Delage, Picking. “Qual o modelo ideal para a sua operação?”. Acedido a 18 de fevereiro de 2022.
https://delage.com.br/blog/picking-modelo-ideal-para-sua-operacao/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.