A logística como vantagem competitiva das empresas

A logística como vantagem competitiva das empresas

Vivemos num mundo muito competitivo, onde predominam os cenários de mudança e de incerteza e onde as expectativas dos consumidores estão claramente a mudar. Tanto as pessoas como as empresas esperam receber as suas encomendas de forma mais rápida e mais flexível. Contudo, esperam também maior transparência e o preço mais baixo. Vencer este desafio implica, antes de mais, olhar para a logística como vantagem competitiva e não como um custo.

Para perceber a mudança de padrões, um estudo da PWC avaliou as condições atuais em que opera o setor logístico no caso da indústria transformadora. Constatou que os clientes querem antecipar a entrada dos seus produtos no mercado, exigem taxas de defeito mais baixas e pedem cada vez mais personalização dos produtos. Numa equação que antes era impossível, hoje existem “lotes de um”, em que cada produto é fabricado consoante as especificações de apenas um cliente final.

Além disso, acrescenta a PWC, no contexto da chamada Indústria 4.0, todas as indústrias, seja de que áreas forem, têm pela frente o desafio de redefinir tudo, desde a forma como interagem com os clientes até à própria estrutura da cadeia de abastecimento.

A logística como fator diferenciador

No contexto em que vivemos, olhar para a logística como vantagem competitiva é o ponto de partida para que as empresas se destaquem e superem a concorrência, respondendo ou mesmo superando as exigências dos clientes.

No essencial, isso pode ser feito de duas formas:

  • Encarar a logística como vantagem competitiva pelo valor que agrega. Por exemplo, o facto de garantir entregas mais rápidas ou incluir serviços adicionais permite diferenciar-se da concorrência. Neste caso, destacam-se a produtividade e a flexibilidade como ganhos a reter.
  • Olhar a logística como vantagem competitiva na componente dos custos ao reduzir os encargos associados ao processo logístico através de ganhos de eficiência e, como tal, fazer com que um determinado produto chegue ao mercado a um preço mais baixo.

Desse modo, juntar a diferenciação e a vantagem de custos à rapidez e à flexibilidade, como refere a PWC, será o grande desafio das empresas. Basta pensar que erros logísticos podem custar clientes e levar uma empresa a ficar atrás da concorrência. Percebe-se, então, o papel estratégico da logística na competitividade de uma empresa.

É, pois, importante garantir que todo o processo logístico, desde a produção até à entrega ao consumidor final, é gerido da melhor forma.

A importância da cadeia de abastecimento

Em causa está a gestão da cadeia de abastecimento, ou seja, de todo o fluxo desde a produção até ao respetivo consumo. Esta operação envolve um conjunto de materiais e informações, para garantir que o cliente recebe o produto certo, à hora certa, no local certo e nas condições certas.

Sem uma boa gestão da cadeia de abastecimento — que, por exemplo, garante a disponibilidade dos produtos, avalia os custos da posse de stocks ou cumpre prazos de entrega —, não é possível dar a resposta que o cliente precisa e garantir a logística como vantagem competitiva.

Como fazer uma boa gestão da cadeia de abastecimento?

Como tal, para uma boa gestão da cadeia de abastecimento importa ter em conta os seguintes pontos:

  • O planeamento da estratégia logística deve ser feito no âmbito dos objetivos mais globais e estratégicos do negócio. Assim, deve-se identificar a forma como os vários elementos e atividades do processo logístico são incorporados na organização como um todo.
  • O planeamento logístico deve permitir dar uma resposta rápida e eficaz aos pedidos ou mesmo identificar e resolver os problemas que possam surgir.
  • Deve haver uma integração dos vários processos envolvidos. Isto é, juntar o processo logístico com os processos de outros departamentos da empresa, de fornecedores ou mesmo de clientes empresariais.
  • É importante dispor de recursos altamente qualificados, que trazem novas ideias, criam métodos de trabalho e são sinónimo de inovação.
  • As tecnologias de informação são imprescindíveis para criar maior agilidade em todo o processo. Os pedidos chegam em tempo real, a capacidade de oferta e a gestão dos stocks é mais ágil. Além disso, é possível fazer a integração de vários sistemas, o que traz grandes vantagens em termos de custos.
  • Perante os elevados custos de manutenção — nomeadamente da frota e do armazenamento —, a necessidade de melhorar o fluxo logístico, a falta de experiência ou a necessidade de internacionalização, o outsourcing logístico pode ser a solução que permite gerar eficiências e reduzir custos, mantendo a competitividade. 
  • Avaliar o desempenho é um passo importante. Desse modo, percebemos como se comportam os vários elementos da cadeia, o que mais valorizam os clientes ou mesmo qual o posicionamento perante a concorrência.

Estes ingredientes permitem assegurar a logística como vantagem competitiva, respondendo ao cenário de mudança e incerteza em que as empresas operam.

Referências Bibliográficas:
PWC, Shifting patterns, the future of the logistics industry. Acedido em 17 de novembro de 2020, https://www.pwc.com/sg/en/publications/assets/future-of-the-logistics-industry.pdf

GRIN, How to obtain a competitive advantage through logistics. Acedido em 17 de novembro de 2020, https://www.grin.com/document/457320

SALIK, ARMAAN, Role of logistics in competitive strategy. Acedido em 17 de novembro de 2020, https://pt.slideshare.net/ArmaanSalik/role-of-logistics-in-competitive-strategy

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *