Exportar para Cabo Verde: um mercado de oportunidades

exportar para cabo verde

Com cerca de 526 mil habitantes, Cabo Verde é um arquipélago composto por 10 ilhas, 9 das quais habitadas, situado na região central do Oceano Atlântico, posicionamento que coincide com importantes rotas comerciais que ligam a África e a Europa aos mercados da América do Sul e da América do Norte. A posição geoestratégica e a relativa estabilidade económica, política e social diferenciam Cabo Verde da maioria dos países africanos.

Apesar de pequena, a economia do país é estável e aberta ao investimento estrangeiro, apresentando grande dependência externa, nomeadamente das importações, das ajudas externas e das remessas dos emigrantes. Embora o crescimento económico de Cabo Verde tenha abrandado o ritmo nos últimos anos, o país apresenta oportunidades de negócio em vários setores para empresas que pretendam exportar para Cabo Verde. A balança comercial é tradicionalmente deficitária, uma vez que o país importa mais do que exporta, sendo que Portugal, Espanha e Holanda são os principais países fornecedores de bens.

Portugal é um importante parceiro económico de Cabo Verde, e as relações económicas empresariais entre os dois países atravessam um momento de dinamismo, posicionando o nosso país como o principal fornecedor das importações cabo-verdianas e como segundo destino das exportações, depois de Espanha. De acordo com os dados provisórios divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística, em 2019 as trocas comerciais entre Portugal e Cabo Verde ascenderam a 297 milhões de euros, dos quais 284,9 milhões de euros correspondem às exportações portuguesas e 12,1 milhões de euros correspondem às exportações cabo-verdianas. Atualmente, são cerca de 3.000 mil as empresas portuguesas a exportar para Cabo Verde, um número que tem vindo a aumentar na última década.

A relação histórica bilateral entre Portugal e Cabo Verde sempre promoveu o interesse e investimento de empresas portuguesas neste país africano, alavancou muitos negócios no país, especialmente nas áreas da engenharia, construção civil, fornecimento de materiais de construção e serviços de consultoria. As previsões a médio e longo prazo, apontam para a continuidade da cooperação económica entre os dois países, especialmente com intenções de melhoria dos setores agroalimentar, energias renováveis, transportes e logística, turismo, saúde e formação profissional cabo-verdianos.

Quais as oportunidades para investir ou exportar para Cabo Verde

Como referido anteriormente, Cabo Verde é um importante parceiro comercial de Portugal, apresentando uma margem de progressão para o comércio internacional português, designadamente enquanto destino das exportações portuguesas de bens.

Considerando que a economia cabo-verdiana assenta, sobretudo, no sector dos serviços, que os recursos naturais são escassos e os solos pouco férteis, a grande maioria dos bens industriais e uma parte dos produtos alimentares têm de ser adquiridos ao exterior. Destacam-se como principais categorias de produtos importados por Cabo Verde, os combustíveis (9,8% do total), as máquinas e equipamentos (15%), os bens alimentares (5,2%) e os veículos automóveis (4,8%).

Entre os setores que apresentam melhores oportunidades para investir ou exportar para Cabo Verde encontram-se o cluster da economia marítima, das energias renováveis, das tecnologias da informação e do turismo.

  • O cluster da economia marítima conta com uma área de 700.000 quilómetros quadrados e cinco portos principais, sendo as suas oportunidades na área da pesca, concessões e serviços de logística nos portos, infraestrutura de frio, armazenagem e transformação de pescado, aquicultura, reparação naval, bunkering e desportos náuticos.
  • No setor das energias renováveis, Cabo Verde tem como objetivo fornecer energia renovável a 100 por cento no ano de 2030, pelo que a procura por investimento, serviços e produtos nesta área vai aumentar. O potencial eólico e solar de Cabo Verde é enorme e já existe um Plano Nacional de Ação para as Energias Renováveis, faltando-lhe capacitar recursos humanos e certificar pessoal técnico, equipamentos e sistemas.
  • Relativamente às Tecnologias de Comunicação e Informação, Cabo Verde possui fibra ótica que liga todas as ilhas, dois cabos submarinos que ligam o país a África e à Europa, e ainda um data center. Isto proporciona condições para a expansão das TIC na Administração Pública e no sistema educativo. De referir ainda que está na fase final da construção, o Parque Tecnológico da Cidade da Praia, um projeto financiado pelo Banco Africano de Desenvolvimento, em cerca de 36 milhões de dólares, cuja pretensão é tornar Cabo Verde uma referência em África, como plataforma de prestação de serviços tecnológicos a nível regional. Está também em construção um outro Parque Tecnológico e Data Center na ilha de São Vicente.
  • O setor do turismo em Cabo Verde continua em crescimento, fruto do clima ameno que se faz sentir no país todo o ano e da localização geográfica próxima da Europa. A hotelaria e atividades de apoio ao turismo são oportunidades a desenvolver, nomeadamente a aposta em hotéis de qualidade e na diversidade da oferta, como turismo rural e ecológico, hotéis de charme e guest houses.

Cabo Verde tem dado passos importantes rumo à evolução e transformação do país, observaram-se melhorias significativas em diversas áreas, principalmente no plano económico, social e político. O país saiu da categoria dos países menos desenvolvidos e passou a ser considerado como país em vias de desenvolvimento a partir de 2008, de acordo com o Banco Mundial e FMI. Para isto, em muito contribuiu a aposta na melhoria do sistema de saúde e da educação formação profissional, dois aspetos em que Cabo Verde cabo-verdiano, da educação e formação profissional.

A relação bilateral entre Cabo Verde e Portugal espelha o bom relacionamento e denota o interesse do tecido empresarial português no mercado cabo-verdiano. A base de exportação portuguesa cobre praticamente todas as áreas da atividade económica e categorias de produtos comprados ao exterior por Cabo Verde, no entanto, o país apresenta ainda diversas oportunidades para as empresas portuguesas.

A abertura económica do país, espelhada em vários acordos que Cabo Verde assinou, como por exemplo o CEDEAO, abre margem para as empresas que pretendam exportar para Cabo Verde, mas também como porta de entrada para o mercado da África ocidental.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *