Exportar para a Polónia: especificidades do mercado e oportunidades de negócio

Com cerca de 37,8 milhões de habitantes e um posicionamento geográfico privilegiado, a Polónia é, atualmente, uma das economias mais dinâmicas e atrativas da Europa Central. Por conseguinte, a International Trade Administration, dos Estados Unidos da América, considera que este país se encontra entre os mais cativantes do mundo para estabelecer relações de negócio. Não admira, portanto, que cada vez mais empresas demonstrem vontade de exportar para a Polónia.

O tecido corporativo nacional tem, igualmente, revelado esse interesse comercial nos últimos anos. Prova indubitável disso é o facto de este mercado ter entrado, em 2019, na lista dos dez países que mais importam de Portugal. De acordo com os relatórios do comércio internacional, publicadas pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), em 2021, a Polónia foi o 10.º cliente das exportações nacionais de bens, com uma quota total de 1,4%.

Mas sabe qual a melhor forma de abordar este mercado de grande dimensão? Ou quais as oportunidades de negócio na Polónia a que deve prestar atenção? Fique a conhecer as especificidades desta economia.

Uma breve análise da economia polaca

Num artigo publicado na revista Portugal Global, da AICEP, Luís Cabaço, Embaixador de Portugal na Polónia, afirma que este país “se tem vindo a afirmar após as significativas transformações políticas e económicas que empreendeu nos últimos trinta anos”. Evidentemente, a entrada na União Europeia, em 2004, constituiu um momento decisivo na consolidação deste percurso.

Nesse sentido, a International Trade Administration sublinha as consequências resultantes da adoção da legislação europeia. As reformas económicas realizadas nesse âmbito apresentaram um impacto notável na melhoria do ambiente de negócios e, certamente, no crescimento sustentado do país. Assim, exportar para a Polónia é, hoje, sinónimo de estabelecer relações com um mercado que já demonstrou a sua resistência a diversas crises.

Em 2020, por exemplo, registou-se um declínio do PIB de apenas 2,8%. Foi, aliás, um dos países da União Europeia menos afetados pela pandemia da COVID-19 no que concerne à recessão económica. No ano de 2021, voltou a verificar um crescimento de 5,7%, com um PIB per capita situado em 17.840 USD, segundo os dados da Economist Intelligence Unit (EIU).

É expectável, no entanto, que em virtude da guerra na Ucrânia, e subsequente pressão inflacionária nos custos da energia, esta tendência vincada de crescimento abrande. Não obstante, as projeções indicam que a economia polaca continuará a apresentar resultados promissores nos próximos anos, como consequência, sobretudo, dos níveis de consumo privado (bastante orientado para bens importados) e do aumento previsto dos fundos europeus de apoio ao desenvolvimento do país.

A balança comercial da Polónia

Para as empresas que pretendem exportar para a Polónia, é crucial atentar em alguns indicadores basilares. De acordo com os dados do Comtrade, citados na ficha de mercado da AICEP, as importações da Polónia registaram um valor de 335 mil milhões de USD em 2021, sendo que no ano anterior se tinham situado nos 255 mil milhões de USD (um aumento assinalável).

Ora, neste último ano, os cinco grupos de produtos que o país mais importou foram:

  • Máquinas e Aparelhos (25,4%);
  • Metais Comuns (11,5%);
  • Produtos Químicos (9,6%);
  • Veículos e Outro Material de Transporte (9,4%);
  • Plásticos e Borracha (7,9%).

Entre os maiores fornecedores encontram-se a Alemanha, a China, a Rússia, a Itália e os Países Baixos. Em conjunto, representam cerca de metade do valor total das importações.

Por sua vez, no que diz respeito às exportações polacas, a Alemanha, a Chéquia, a França, o Reino Unido e a Itália foram, em 2021, os principais mercados clientes. No ano em análise, a balança comercial registou um défice de 18 mil milhões de USD (com as exportações a valer 318 mil milhões de USD).

A relação comercial entre a Polónia e Portugal

Este país da Europa Central tem registado uma crescente importância no âmbito das trocas internacionais de Portugal. São, assim, cada vez mais as empresas nacionais a exportar para a Polónia. Os dados do INE supramencionados espelham isso mesmo. No período decorrente entre 2017 e 2021, as exportações para aquele país registaram um incremento médio anual de 10,3%. Nas importações, esse valor fixou-se nos 16,3%.

Entre os principais grupos de produtos que Portugal tem vindo a exportar para a Polónia, destacam-se então os seguintes:

  • Máquinas e Aparelhos (20,1%);
  • Veículos e Outro Material de Transporte (18,1%);
  • Pastas Celulósicas e Papel (12,1%);
  • Produtos Alimentares (10,6%);
  • Plásticos e Borracha (8,3%).

Exportar para a Polónia: oportunidades e áreas de negócio

Como explanado, a Polónia realizou, nas últimas três décadas, uma trajetória firme de crescimento e de abertura ao exterior. Atualmente, figura no 42.º lugar, entre 180 países, no índice internacional de transparência “Corruption Perception Index”, da Transparency International. Um dado que, certamente, contribui para reforçar a confiança entre aqueles que pretendem exportar para a Polónia.

Além disso, o ranking global da EIU considera que o ambiente de negócios polaco constitui o 27.º mais atrativo, de um total de 82 países analisados. Trata-se do quinto maior mercado da União Europeia, com um clima negocial cada vez mais próspero e uma abertura crescente em relação ao investimento exterior.

Conforme indica a International Trade Administration, os fundos europeus que se destinam ao país, com um orçamento de cerca de 75 mil milhões de euros (a preços correntes) para o período 2021-2027, canalizar-se-ão para: o desenvolvimento de infraestruturas, a melhoria do acesso à Internet e o investimento em smart cities, a inovação e o impulsionamento das empresas para o investimento em pesquisa e desenvolvimento, a proteção ambiental, a educação e o setor de energia.

Setores comerciais a considerar

Emergem daqui algumas oportunidades de negócio a ter em conta pelas empresas que querem exportar para a Polónia. As tecnologias de informação constituem, neste momento, um setor central, e em franca expansão, no país. Denota-se, pois, uma intensificação da procura por soluções que sirvam de alicerce ao desenvolvimento da Internet of Things (IoT), da cibersegurança, das smart cities ou de produção industrial avançada, por exemplo.

No capítulo da indústria, destacam-se ainda alguns setores tradicionais, como a siderurgia ou a construção naval. De igual forma, as máquinas e os equipamentos mecânicos, os produtos químicos, a indústria do ambiente e a indústria alimentar são, de acordo com a AICEP, áreas de negócio relevantes para quem tem a intenção de exportar para a Polónia.

Os moldes, os produtos farmacêuticos, os materiais de construção, os têxteis ou os produtos agrícolas são outros ramos que oferecem oportunidades interessantes. De notar, por fim, o dinamismo do mercado polaco de vinhos. Neste âmbito, os produtos portugueses têm-se implementado com sucesso. Os vinhos nacionais posicionam-se, fundamentalmente, no segmento de preços médio e médio-alto.

Requisitos para exportar para a Polónia

Para os players portugueses, a missão de exportar para a Polónia está, naturalmente, muito facilitada, uma vez que este país faz parte da União Aduaneira que integra a União Europeia. Assim, tendo em conta a sua pertença ao mercado único, onde existe livre circulação de bens, serviços, capitais e pessoas, não se aplicam direitos aduaneiros nas trocas comerciais intracomunitárias.

Ainda que os bens não estejam sujeitos a documentação aduaneira, a fatura comercial revela-se imprescindível. Neste documento, deve então constar os números de registo em IVA das partes, precedido do código do país. No caso, “Polónia/PL”.

No que concerne ao IVA, ainda que existam alguns esforços no sentido da uniformização europeia, os Estados-Membros são soberanos na fixação. Neste país, a taxa normal é de 23%, a reduzida situa-se nos 8% e a super-reduzida é de 5%.

Se pretende exportar para a Polónia, é crucial que garanta os parceiros de negócio mais adequados para se inserir com eficácia na cultura de negócios deste país. Na Rangel, dispomos de uma equipa experiente para o ajudar neste processo. Conte com o nosso conjunto diversificado de serviços aduaneiros e de transporte.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
International Trade Administration, “Poland – Country Comercial Guide”. Acedido a 7 de setembro de 2022.
https://www.trade.gov/country-commercial-guides/poland-market-overview?navcard=4026
Instituto Nacional de Estatística, “Estatísticas do Comércio Internacional – 2021”. Acedido a 7 de setembro de 2022.
https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_destaques&DESTAQUESdest_boui=472735340&DESTAQUESmodo=2
Revista AICEP Portugal Global, “Relacionamento de excelência entre Portugal e a Polónia”. Acedido a 6 de setembro de 2022.
http://www.revista.portugalglobal.pt/AICEP/PortugalGlobal/Revista122/?page=42
Economist Intelligence Unit, “Poland Economy, Politics and GDP”. Acedido a 7 de setembro de 2022.
https://country.eiu.com/poland
AICEP, “Ficha de Mercado – Polónia”. Acedido a 6 de setembro de 2022.
https://myaicep.portugalexporta.com/mercados-internacionais/pl/polonia?setorProduto=-1
Transparency International, “Corruption Perception Index”. Acedido a 8 de setembro de 2022.
https://www.transparency.org/en/cpi/2021
AICEP, “Em foco Polónia: Vinhos”. Acedido a 6 de setembro de 2022.
https://www.portugalexporta.pt/agenda/em-foco-polonia-vinho-2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.