Container Freight Station: o que é e qual a sua importância?

Container Freight Station: o que é e qual a sua importância? 1

Garantir que um envio chega ao seu destino, de forma rápida, sem sobressaltos e com a máxima eficiência é o objetivo de um processo logístico de excelência. Mas para assegurar que a carga é devidamente registada, acondicionada e transportada do ponto A para o ponto B, existe toda uma cadeia de processos e de intervenientes fundamentais para o sucesso das operações logísticas. Uma das infraestruturas logísticas muito utilizadas pelas empresas importadoras e exportadoras é a Container Freight Station (CFS). Estas instalações semelhantes aos armazéns têm, contudo, características especializadas, onde as mercadorias são consolidadas, antes de seguirem a próxima etapa do seu percurso.

O que é uma Container Freight Station?

Imagine o caso de uma empresa que quer exportar uma determinada quantidade dos seus produtos por via marítima. No entanto, a carga não é suficiente para preencher um contentor completo. Nestas situações, por uma questão de eficiência, a carga é transportada para uma Container Freight Station, onde é descarregada e armazenada temporariamente até chegarem outras mercadorias com o mesmo destino.

As diversas cargas são depois carregadas e acomodadas num único contentor. Nesse sentido, uma Container Freight Station é uma instalação que permite agilizar o processo de grupagem, também conhecido pela sigla LCL (Less than Container Load). Recorde-se que o LCL é uma modalidade de envio de carga que se caracteriza pela partilha de um contentor com outros clientes.

Assim, podemos dizer que as Container Freight Stations são instalações especializadas na consolidação e desconsolidação de envios LCL. A consolidação consiste no processo de combinar diversos envios LCL para formarem um Full Container Load (FCL). Por outro lado, a desconsolidação de mercadorias implica o processo inverso, o de separar a carga consolidada por pequenos envios.

Estas infraestruturas podem ser classificadas em duas tipologias:

CFS de Origem

Refere-se às instalações no país de origem, onde as mercadorias são consolidadas e enviadas para a CFS de destino.

CFS de Destino

São as instalações no país de destino, onde a carga é desconsolidada em envios individuais. Estas cargas seguem depois para o seu destino final, muitas vezes por camião.

Como surgiram estas infraestruturas?

As primeiras Container Freight Stations terão surgido na Índia, como solução para ajudar a descongestionar os portos do país. Aliás, no início, estas instalações funcionavam mesmo como extensões dos próprios portos e terminais. No entanto, as vantagens associadas a estes armazéns especializados rapidamente passaram fronteiras e, hoje, o conceito de Container Freight Station é aplicado em todo o mundo, com múltiplos benefícios na eficiência das cadeias de abastecimento.

Pelas suas características, estes armazéns especializados estão habitualmente localizados perto dos portos marítimos, aeroportos e também junto de hubs ferroviários, onde existe uma grande movimentação de carga.

Quais as vantagens destas instalações?

Estas infraestruturas logísticas assumem certamente um papel cada vez mais relevante nas operações de transporte de carga, num momento em que a otimização da utilização dos contentores é uma preocupação crescente junto dos operadores logísticos e das empresas importadoras e exportadoras. Alguns dos seus benefícios são:

Eficiência de custos

Para as empresas, a principal vantagem de uma Container Freight Station advém do facto de esta infraestrutura prestar serviços que facilitam o processo de consolidação de carga. Dessa forma, permite uma maior eficiência ao nível dos custos de transporte, devido à partilha dos encargos associados ao contentor. Mas os benefícios não se cingem ao plano financeiro.

Descongestionamento dos portos e maior agilidade nos procedimentos alfandegários

Estas instalações têm também um papel importante no descongestionamento dos portos e terminais de carga. Além disso, os serviços prestados pelas Container Freight Stations libertam as empresas de vários procedimentos relacionados com o despacho aduaneiro.

Menor risco de danos e extravio de mercadorias

Adicionalmente, como os serviços nas CFS garantem que as cargas são devidamente acondicionadas e os contentores seguem completos, é mais difícil a ocorrência de danos na carga durante o seu transporte.

Do mesmo modo, o facto de estas instalações terem o registo e os dados relacionados com cada envio (desde o nome do importador e do exportador, passando pela referência ao porto de carga/descarga, o número de camião e os detalhes da carga) ajuda a prevenir eventuais situações de extravio ou perda de mercadorias.

Assim, estas infraestruturas têm um papel importante na garantia da segurança da carga (em particular dos pequenos envios), e na diminuição dos custos de transporte, assim como na redução da burocracia e do tempo necessários para o carregamento e descarregamento das mercadorias. Em última análise, as Container Freight Stations são infraestruturas que facilitam as operações de importação e exportação, oferecendo uma grande conveniência às empresas.

Apesar destas vantagens, poderão existir algumas contrariedades que as empresas devem considerar. Por exemplo, se alguma das mercadorias que faz parte do contentor apresentar uma irregularidade nos documentos de transporte, isso pode levar a um atraso do processo de inspeção aduaneira. Por outro lado, as empresas que recorram aos serviços de uma Freight Container Station devem ainda analisar os custos associados à consolidação e desconsolidação da carga nestas infraestruturas.

Se é uma empresa importadora ou exportadora e procura as melhores soluções de transporte, contacte a Rangel. Temos equipas dedicadas à importação, exportação e ao comércio transfronteiriço, apresentando serviços ajustados às suas necessidades.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
Organização Internacional do Trabalho. “Segurança e saúde no trabalho”. Acedido a 1 de outubro de 2021.
https://www.ilo.org/lisbon/temas/WCMS_650864/lang–pt/index.htm
United Nations Global Compact. “Nine business practices for improving safety and health through supply chains and building a culture of prevention and protection”. Acedido a 1 de outubro de 2021.
https://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/—dgreports/—dcomm/documents/briefingnote/wcms_821481.pdf
EduMe. “How to build a safety-first culture in logistics. 7 top tips”. Acedido a 1 de outubro de 2021.
https://edume.com/blog/logistics-safety-culture
Supply Chain Brain. “Two vital elements of a safety-first workplace culture”. Acedido a 1 de outubro de 2021.
https://www.supplychainbrain.com/blogs/1-think-tank/post/32165-safety-culture-in-the-supply-chain-getting-back-to-basics
Inbound logistics. “7 Tips to driving a strong safety culture”. Acedido a 1 de outubro de 2021.
https://www.inboundlogistics.com/cms/article/tips-to-driving-a-strong-safety-culture/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.